HISTÓRIA DO EJOC

O EJOC foi fundado pelo Padre Antônio Bernardo e por oito casais participantes do Encontro de Casais com Cristo (ECC) da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro: Dalmo & Regina, Sílvio & Ermínia, Wilson & Rosa, Sílvio & Eurídice, Maurício & Eustáquia, Jacson & Denise, Toninho & Dôra e Hélio & Zelma.

“Inspirados no movimento jovem “Segue-me”, tradicional em Brasília, e incentivados pelo padre Antônio Bernardo, começamos a nos reunir em 1979 para estudar e montar a estrutura do Encontro de Jovens com Cristo”, explica Regina. Após o estágio preparatório, o primeiro EJOC (retiro espiritual de dois dias) pôde ser finalmente realizado em abril de 1980, tendo como principal objetivo engajar os filhos de encontreiros do ECC nos trabalhos da Igreja.

EJOC – Primeira Fase e Segunda Fase

Na primeira fase do EJOC, que durou até 1986, foram realizados 11 Encontros, sob a coordenação de casais. Com o passar do tempo, um grupo de 20 jovens ejoquianos – dentre os quais Elias, Lumena, Ailton, Tida e Júnior Kikushi – passou a reivindicar para si uma maior responsabilidade, exigindo a presença de jovens na coordenação do EJOC. “Queríamos um EJOC renovado e mais dinâmico, com uma identidade própria, e não um movimento à imagem e semelhança do ECC”, declara Ailton. “Por isso, lutamos para que os jovens ganhassem o direito de opinar e decidir nas questões referentes ao movimento”.

Então, o grupo dirigente, anteriormente formado apenas por casais e pelo pároco, passou a ser constituído também de jovens, e a coordenação de algumas equipes de trabalho do EJOC ficou a cargo de solteiros. Em novembro de 1986, realizou-se o EJOC I da segunda fase.

Desde 1980, mais de 2.500 jovens já fizeram o EJOC e participaram de atividades do movimento. Mesmo tendo passado por inúmeras dificuldades, tentativas, modificações e conquistas ao longo de sua história, o EJOC conserva sua característica primordial de oferecer aos jovens uma oportunidade de encontro íntimo com Cristo e de renovação de vida. “O EJOC objetiva suscitar o ingresso da juventude nos trabalhos pastorais, evangelizar e encaminhar a comunidade jovem para o aprofundamento da espiritualidade cristã”, salienta o padre Fernando Rosa.


Grupo Dirigente do EJOC

A partir da 2ª Fase, o Grupo Dirigente era composto por 13 integrantes, sendo 3 casais, seis jovens e o pároco. Em 2005, por alteração no Estatuto, o Grupo dirigente passou a ser composto por 7 integrantes.

Em 2009, encontram-se na coordenação do movimento: Marcos e Selma, Sheila, Ana Carolina, Renan, Rafael e o Padre Reni, pároco do Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Além do Grupo dos Sete, existem quatro comissões no EJOC. São elas: Comissão da Ação Social (responsável por ajuda comunitária), Comissão de Eventos (responsável por promover festas e shows), Comissão do Momento do Despertar (responsável pelas orações) e a Comissão Coral do EJOC (responsável pela música). Os integrantes das comissões são jovens e casais, que são escolhidos e convidados pelo Grupo dos 7.

 Atividades do EJOC no Santuário

Os jovens e casais encontreiros têm trabalhado não só nos dois dias do Encontro, mas também vêm se dedicando a outras atividades promovidas pelo Santuário e pela Arquidiocese de Brasília. Na Paróquia, participam de espiritualizações, ajudam na liturgia da missa das 20 horas aos domingos, auxiliam em eventos missionários, religiosos e em campanhas sociais.

O EJOC realiza reuniões e dias de formação espiritual, tardes de louvor e adoração a Deus, vigílias, promove campanhas de arrecadação de alimentos e brinquedos, visita a creches e asilos e agora conta com um grupo de canto, o Coral do EJOC.

“A comunidade Ejoquiana é muito numerosa e não há a possibilidade de convidarmos todos os encontreiros para trabalhar nas equipes do Encontro. Por isso, é interessante que os Ejoquianos procurem se engajar em outros grupos e projetos do EJOC e das demais pastorais”, afirma Guto (ex-integrante do grupo dirigente). “Temos a intenção de formar ainda um grupo de teatro e de vigília e de incentivar todos os ejoquianos que porventura não tiverem feito a Primeira Comunhão e o Crisma a vivenciar esses sacramentos. Queremos diversificar e explorar ao máximo os dons e serviços missionários na Igreja. Afinal, os jovens – em harmonia com casais, crianças e idosos – precisam crescer espiritualmente e demonstrar, por meio de obras concretas e testemunhos, a sua parcela de compromisso cristão e de responsabilidade”.


Surgimento do EJOCÃO

A Comunidade do Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é abençoada por Deus com 33 pastorais e movimentos diversos. No entanto, os paroquianos que contam com idade a partir de 25 anos, bem como jovens adultos de outras paróquias, vinham sentido a necessidade de um espaço de inserção na Igreja, a partir de uma experiência madura e ao mesmo tempo adequada à juventude que lhes é peculiar.

Pensando nessa necessidade foi que o EJOC elaborou um encontro, o qual foi idealizado nos moldes da experiência com os Jovens de 17 à 24 anos.

Diante desta particularidade, os temas foram abordados com maior profundidade, não por imposição, mas por exigência daqueles iriam participar do encontro, sem peder o frescor e alegria peculiares a juventude, pois os membros do EJOC levantaram o que se esperava de um encontro para adultos jovens.

Após muito discernimento, oração e trabalho realizou-se o “I EJOC para jovens de 25 a 35 anos”, que recebeu o apelido carinhoso de EJOCÃO, em 29 e 30 de Outubro de 2005.

Os que participaram dessa primeira experiência relataram ser um encontro diferenciado, uma vez que a organização levou em conta as exigências de maior aprofundamento, principalmente, pela linguagem adotada e pelo espírito de identidade partilhado pelos membros das equipes e os econtristas, uma vez que a maioria contava com idade de 25 a 35 anos.

Outra qualidade especial do EJOCÃO é absorver e orientar os jovens que saindo do EJOC tradicional (conhecido como EJOQUINHO) tinham alguma dificuldade em se inserir em outras atividades da Igreja em razão da idade.

A linha identificadora (carisma) do EJOC foi mantida: ser semente e germinar para os outros, ou nas palavras do Pe.Fernando: “Mudar a si mesmo para mudar o mundo”. E essa semente tem rendido muitos frutos, com a participação de muitos jovens do EJOCÃO em atividades do grupo na Paróquia, jovens que até pouco tempo atrás tinham a impressão de estarem fora da Igreja e, consequentemente, fora de Cristo e de Deus.

Pode-se dizer, por fim, que o EJOCÃO não é uma novidade, contudo coseqüência natural de uma semente lançanda no mundo à 25 anos atrás, a qual sintetiza-se em acolher o jovem, de 17 a 35 anos, e direcioná-lo para Cristo, por sua Igreja!

Fonte: Maria Amélia, em “O Semeador”, Setembro/2001. (com adaptações)